Comida de rua: os destinos mais deliciosos do mundo

Vendedores ambulantes, carrinhos de mão e até mesmo buracos na parede. Mesmo em cidades ricas, com reputação para jantares elegantes, algumas de suas melhores refeições estão nas ruas.

Lugares como Hong Kong, em que há uma linha tênue separando a alta gastronomia do conforto da comida rápida, a refeição popular ganha destaque no guia da Michelin. No entanto, a maioria dos chefes de rua não busca exatamente esse tipo de reconhecimento, uma vez que eles estão cozinhando para multidões que lotam seus estandes diariamente.

BALI (INDONÉSIA)
Apesar de Bali não ser uma cidade, e sim uma ilha, é um dos destinos mais populares para quem viaja à Indonésia. Além de ser um lugar procurado por sua mistura de retiro espiritual com a descontração cultural, tem também a comida como um de seus pontos fortes. Embora haja muitos estabelecimentos tradicionais espalhados pela ilha, a carne de porco servida de diferentes maneiras é um costume local, bem como do arroz frito e do peixe grelhado.

BANGCOC (TAILÂNDIA)
É praticamente impossível evitar comida de rua em Bangcoc, onde vendedores ambulantes se situam em diferentes partes da cidade, em uma rotação fixa.

Alguns se dedicam ao café da manhã, com doce de leite e queijo, ambos à base de leite de soja. Já para o almoço, o arroz defumado e o frango cozido são os mais vendidos. Os vendedores noturnos, entretanto, oferecem de tudo um pouco da comida típica tailandesa, sobretudo grelhados.

CARTAGENA (COLÔMBIA)
Caminhar pela cidade até parece estar dentro de um cartão postal, e a abundância de carrinhos de rua, caminhões de comida e janelas de cozinhas tornam a viagem muito melhor. Em quase todos os lugares é possível achar as arepas – que parece uma mistura de milho com panqueca, que pode ser recheada com diversos ingredientes. A lechona é outro prato bastante popular, feito com carne de porco, ervilhas, cebola e arroz.

DAKAR (SENEGAL)
Logo no início do dia os vendedores já surgem nas esquinas com baguetes, recém assadas e prontas para serem consumidas – seja no café da manhã ou mesmo na rua. Em geral, o recheio mais popular é um ingrediente bastante simples: ovo frito.

Para o almoço, o thiebou dieune, que nada mais é que arroz com peixe e legumes, é tido como o prato principal do país. Outra iguaria bastante popular no país é o Chocoleca, a versão senegalesa da Nutella. Porém a combinação não é feita de chocolate com avelã, mas amendoim.

HONG KONG (CHINA)
Para uma cidade em que vasculhar os bairros atrás de comidas de rua é considerada uma das atividades preferidas de final de semana, não é de causar surpresa que a Michelin tenha decidido lançar o seu primeiro guia de comidas em Hong Kong.

Os bolinhos de arroz, cozido no vapor com soja, gergelim e molho de hoisin, além do famoso dim sum – também conhecido como yum cha, – composto por uma variedade de pratos, com bolos de nabo e bolinhos de camarão, são as maiores atrações da cidade. Para a sobremesa, o creme doce de tofu e o waffle de ovo são os mais pedidos.

HONOLULU (HAVAÍ, EUA)
A comida havaiana é uma mistura de pratos que combinam as tradições locais com os gostos culinários dos inúmeros imigrantes oriundos dos Estados Unidos, Ásia e América Latina. O resultado disso inclui uma variedade de saladas de peixe cru, conhecidas como poke (poh-kay), encontradas facilmente também em sanduíches.

Atum e polvo são as duas opções mais típicas, com sabores inspirados no kimchi, prato coreano, e também no ceviche, da culinária peruana. A cidade também abriga uma cultura próspera de food truck. Na rodovia da costa norte, por exemplo, o estacionamento de um parque abriga caminhões que apresentam variedades da culinária do Havaí.

MARRAQUEXE (MARROCOS)
O cheiro de comida enche as ruas das cidades marroquinas, e em nenhum lugar a qualidade ou diversidade é maior do que em Marraquexe. Entre os encantadores de serpentes e músicos tradicionais, o meloui, uma espécie de panqueca feita com uma massa semelhante a do pastel, é um dos mais procurados.

Os marroquinos também têm uma forte queda pelos doces, o que também agrada muito os turistas. O gateau au miel, apesar do nome francês, é um bolo típico do país, também vendido por ambulantes, que pode ser servido junto da geleia de damasco.

MUMBAI (ÍNDIA)
Existem muitos lugares a se visitar em Mumbai, porém a visita aos vendedores de rua é quase que uma obrigação a um bom visitante. Kebabs coloridos e perdizes delicados chamam a atenção de quem passa pelas barraquinhas – tanto pela aparência quanto pelo aroma.

O arroz biryani e os vadas, um tipo de lanche frito, também são pratos típicos e bastante procurados. Aos que procuram por sobremesas, há vendedores especializados em panquecas de malpua, o creme de firni e o lassi de manga – uma bebida popular e tradicional no país.

FONTE: PANROTAS

Califórnia inusitada: 8 passeios fora do tradicional

Uma das regiões mais icônicas e amigáveis dos Estados Unidos, a Califórnia possui vários atrativos que dispensam apresentações. San Diego, São Francisco e a própria Los Angeles valem longas viagens para conhecer o melhor de cada região do Estado. Mas há atrações, nessas e em outras cidades, que às vezes passam despercebidas. E, além de extremamente interessantes, elas são inusitadas, proporcionando momentos que não poderiam ser vividos em outro lugar.

O Visit California elencou alguns desses passeios, que podem levar os viajantes a conhecer o que há de mais curioso e interessante nessa parte da costa oeste norte-americana. Veja abaixo quais são:

VISITAR UMA CIDADE FANTASMA
Há, de fato, cidades que foram completamente abandonadas e ganharam rótulo de territórios fantasmas. O Parque Histórico de Bodie State, na região da Serra Nevada, guarda um desses locais – uma antiga comunidade de mineração que há meio século foi esvaziada em pleno deserto. Antigas escolas, bancos e igrejas são verdadeiras relíquias, mas a parte realmente assustadora é o cemitério da colina – onde os verdadeiros fantasmas podem estar.

VER COMO VIVEM À NOITE OS ANIMAIS AQUÁTICOS
Cenas de brincadeiras com baleias e golfinhos em dias ensolarados são recorrentes. Mas como vivem esses e outros animais durante à noite? No Aquarium of the Pacific (Long Beach), onde vivem mais de 11 mil espécies aquáticas, tarifas especiais são oferecidas para visitas noturnas, proporcionando um novo olhar sobre a fauna marinha. Há mais de 150 tubarões no local, e ainda são exibidos filmes sobre o tema no Ocean Theater.

CONHECER VENTURA E AS CHANNEL ISLANDS
A uma hora e meia de carro de Los Angeles, Ventura é uma pequena cidade com clima agradável durante os 12 meses do ano e tem uma bela vista para o oceano Pacífico. Além de trilhas e praias, a cidade é a porta de entrada para o Parque Nacional de Channel Islands, um conjunto de oito ilhas chamada por alguns de “Galápagos da América do Norte”. Lá, não há alojamentos, lojas ou restaurantes, e só se chega de barco ou em pequenos aviões que fazem o percurso. Confira e prepare-se para o pôr do sol mais impressionante de sua vida.

PASSAR UM FIM DE SEMANA EM REDONDO BEACH
Essa não é uma praia comum, mas traz um rol completo de atividades possíveis: observação de baleias, pesca noturna, mergulho, paddle board e muito mais. Combine isso a um passeio pelo píer em formato de ferradura, às várias opções de compras e à variada gastronomia, e está feito um roteiro perfeito para um final de semana relaxante em uma das mais gostosas regiões da South Bay.

PROVAR O MELHOR DA CULINÁRIA SUSTENTÁVEL
Mesmo no coração de uma grande cidade como Los Angeles, o Salt’s Cure é um restaurante que acredita em princípios tradicionais. Trabalha apenas com produtos plantados e produzidos localmente sem grande impacto ambiental, desde a salada até o bacon. Pequenos ranchos e pescadores que não utilizam táticas agressivas podem continuar um trabalho sustentável graças a estabelecimentos como esse, que foi eleito o número um em gastronomia “da fazenda à mesa” em Los Angeles, pela conceituada revista Travel + Leisure.

CURTIR O FESTIVAL DE JAZZ DE MONTEREY
A mais longa festa de jazz do mundo ocorre em setembro, com três dias de duração. O icônico e tradicional festival, que já está em sua 59ª edição na cidade central da Califórnia, traz ícones de renome internacional do estilo musical, como Quincy Jones e Wayne Shorter. Ainda dá tempo de curtir a edição deste ano, então corra.

AVENTURAR-SE NA FLORESTA DE KLAMATH
No extremo norte do Estado, essa comunidade é praticamente selvagem, e ali impera uma forte conexão com a natureza. Vale a pena fazer o passeio de barco, que vem do oceano e se embrenha pelos canais até o coração de Yurok Country. A visão dos ursos selvagens se alimentando no rio e das águias-carecas, símbolo dos Estados Unidos, são algumas das que você nunca esquecerá.

CONHECER DE PERTO O PARAMOUNT THEATRE
Em Oakland, esse belo teatro vale a visita com ou sem espetáculos acontecendo. A arquitetura é uma atração por si só, incorporando trabalhos artísticos de muralistas, escultores e pintores, com uma mistura de cores e estilos que enche os olhos do turista. A cidade é vizinha e São Francisco e pode ser incluída em qualquer roteiro por ali.

FONTE: PANROTAS

“Be Brasil” privilegia atributos dos produtos brasileiros

A boa impressão que os produtos brasileiros podem causar no exterior terá reflexo direto na imagem do País e com certeza trará repercussão para o turismo. O presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Vinicius Lummertz, se mostrou bastante otimista com a divulgação da nova estratégia de promoção dos negócios brasileiros no exterior, apresentada nesta segunda-feira (22) no Rio de Janeiro.

A estratégia, baseada no conceito Be Brasil (Seja Brasil), foi lançada pela Apex-Brasil e Ministério das Relações Exteriores (MRE). O conceito será usado nas ações da agência em uma ampla campanha de comunicação no País e no exterior que utilizará, de forma integrada, ferramentas de relações públicas e assessoria de imprensa, eventos, marketing, mídias sociais e publicidade.

“A imagem de um País também está nos seus produtos, um afeta o outro. Por isso, precisamos internacionalizar nossa economia. Assim, teremos mais comércio, mais viajantes, mais informações e menos isolamento”, afirmou o presidente da Embratur durante o evento de lançamento. Para Lummertz, o Brasil deve aproveitar esse bom momento de alta exposição “para promover o turismo e os produtos do Brasil”.

O Be Brasil se desdobra nos atributos dos setores, produtos e serviços nacionais: Be Brasil, Be Sustainable (Seja Brasil, Seja Sustentável); Be Brasil, Be Creative (Seja Brasil, Seja Criativo); Be Brasil, Be Innovative (Seja Brasil, Seja Inovador) e também se alia à identidade dos setores: Be Sustainable, Be Brazilian Agribusiness (Seja Sustentável, Seja o Agronegócio Brasileiro). O objetivo é reforçar a credibilidade do Brasil como parceiro de negócios.

Segundo o ministro das Relações Exteriores, José Serra, os 200 postos do Itamaraty no exterior serão usados para propagar esse novo conceito. “Vamos vender o Brasil e atrair investimentos”, afirmou. Para o presidente da Apex, Roberto Jaguaribe, a campanha se dará numa plataforma flexível, para acomodar diversos interesses de investimento País. “Temos como base uma série de levantamentos para lançar esse reposicionamento da imagem da Brasil”, afirmou o Jaguaribe.

Segundo ele, a estratégia se apoia nos resultados de pesquisas realizadas nos últimos anos a respeito da percepção geral do estrangeiro sobre o Brasil, que indicam ser um País bem visto por conta da sua simpatia e riqueza de recursos naturais, mas identificam que os aspectos positivos de se fazer negócios com o Brasil ainda são pouco reconhecidos.

A ideia é divulgar diferenciais ainda pouco conhecidos, como a sustentabilidade e a tecnologia presentes, por exemplo, no agronegócio, a criatividade de setores como moda, audiovisual e tantos outros produtos e serviços brasileiros, além de evidências de que o país é competitivo globalmente em diversos segmentos.

FONTE: Brasilturis

 

Azul apoia projeto de leitura em comunidades ribeirinhas no Amazonas

Companhia aérea levará equipes da Associação Vaga Lume para uma expedição entre 30 de agosto e 1º de setembro no município de Tefé.

Em uma ação para reforçar o gosto pela leitura, a Azul Linhas Aéreas vai levar equipes da Associação Vaga Lume ao município de Tefé (AM), para a realização do Projeto Expedição entre os dias 30 de agosto e 1º de setembro. O projeto, apoiado pela Azul há três anos, tem o objetivo de promover o acesso ao livro e à leitura por meio da doação de estrutura para a criação de bibliotecas comunitárias.

A Associação vai promover um curso para despertar o gosto pela leitura entre os habitantes das comunidades de Bacuri e Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Além disso, voluntários da Azul ajudarão na mediação de leitura e organização das atividades do encontro, assim como arrecadação de alimentos para o evento.

Cerca de 60 pessoas dessas comunidades são esperadas para o evento, que também terá uma série de palestras sobre gestão e o plano de trabalho para cada uma das bibliotecas.

“A parceria com a Azul possibilita encontros como esses, que contribuem para o intercâmbio entre os voluntários. Nesses espaços eles são valorizados e tornam-se cada vez mais capacitados para realizar as atividades de gestão e leitura com mais qualidade”, conta Márcia Licá, Educadora da Associação Vaga Lume.

A companhia apoia a Vaga Lume com passagens aéreas para que as expedições sejam realizadas.

FONTE: Revista Travel 3